7 tendências tecnológicas para um e-commerce eficiente !

Em 2020, sobretudo impulsionado pela pandemia, o e-commerce tem crescido de forma acelerada. Há boas chances de em 2020 o comércio online global representar acima dos 50% das vendas. Ou seja, do total de compras no varejo, a maioria deve acontecer online, por meio de sites e aplicativos de lojas.

O faturamento deve se manter acima dos dois dígitos, o que é um indicativo excelente da expansão dos negócios. Com tantas expectativas, a inovação no setor não para. Há sempre novas tendências de tecnologia para e-commerce movimentando o mundo do consumo. Vamos conhecer algumas novidades e entender por que elas serão cada vez mais imprescindíveis para o sucesso da sua loja virtual!

1 – Cross-docking e Dropshipping

Cross-docking ou crossdocking é o processo de distribuição sem estocagem prévia de mercadorias na loja vendedora. O produto permanece no armazém do fornecedor até sua venda. A loja só recebe o produto do fornecedor assim que concretiza uma venda em sua loja. Uma vez recebido o item, é feito o packing (embalagem) e a postagem para o consumidor final.

Esse modelo tem como objetivo reduzir o tempo de estocagem e o volume de armazenamento, agilizando o fluxo entre o fornecedor e o fabricante.

Dropshipping ou Drop shipping é um sistema de venda de produtos sem estocagem na loja. O vendedor recebe os pedidos (vendas) em sua loja e os reenvia ao fornecedor, que realiza a separação e postagem do item diretamente para consumidor final.

Nesse modelo a loja não participa do fluxo logístico do produto. O lucro é obtido por meio da diferença de preço que a loja pagou ao fornecedor e aquele que foi cobrado do cliente.

2 – Mobile first

Mobile First é um conceito aplicado em projetos web onde o foco inicial da arquitetura e desenvolvimento é direcionado aos dispositivos móveis.

Segundo a  Mobile Time/Opinion Box, Em quatro anos, a proporção de internautas brasileiros que já usam o comércio móvel passou de 41% para 85%. Ou seja, a proporção de “consumidores móveis” mais que dobrou, com um ganho de 44 pontos percentuais. E não estamos falando apenas de um número maior de novos clientes. O uso recorrente do m-commerce também cresce. 77% dos consumidores móveis afirmam que hoje fazem mais compras pelo celular do que seis meses atrás.

3 – Plataformas omnichannel

Omnichannel é uma estratégia de uso simultâneo e interligado de diferentes canais de comunicação, com o objetivo de estreitar a relação entre online e offline, aprimorando, assim, a experiência do cliente. Essa tendência do varejo permite a convergência do virtual e do físico

4 — Chatbots e inteligência artificial

O Chatbot  é seguramente uma das mais promissoras aplicações da inteligência artificial. Trata-se de um programa de computador que faz o que é programado, simulando uma conversa humana em um chat. Dessa forma, é possível automatizar tarefas repetitivas e burocráticas, como dúvidas frequentes, na forma de diálogo pré-definido entre o usuário e um “robô”. Assim, é possível otimizar a necessidade de operadores humanos, justamente para atender os casos críticos em que o chatbot não consegue avançar em termos de capacidade de entendimento ou resposta.

5 — Pesquisa por voz

A comunicação por inteligência artificial deverá ser baseada em pesquisa por voz, recurso cada vez mais presente em aplicações da internet. É como se o seu assistente pessoal do Google estivesse integrado ao seu e-commerce de preferência, agilizando todo o processo de compra.

6 — Blockchain

O blockchain, do inglês “encadeamento de dados”, é um banco de dados distribuído dos registros de todas as transações ou eventos digitais que foram executados e compartilhados entre as partes participantes. É como se fosse um livro contábil, no qual cada uma das interações registradas é verificada e aprovada por consenso pela maioria dos participantes do sistema. Como existem milhares de pessoas olhando os registros das transações, é muito difícil para os criminosos encontrarem caminhos viáveis para burlar o blockchain.  Assim, torna-se um importante aliado das operações de e-commerce, já que resolve vários desafios relacionados à segurança digital. Afinal, são os dados pessoais e o número do cartão de crédito do cliente que estão em trânsito.

7 — Big Data

Na era da informação, a gestão de dados não é uma atividade qualquer para empresas e governos — trata-se de uma questão de sobrevivência. Negócios digitais precisam ser capazes de extrair conhecimento relevante de um grande volume de informações, o que garantirá sempre mais vendas, serviços eficientes, redução de custos e clientes satisfeitos. E como se extrai informação e conhecimento de dados? Implantando projetos de Big Data. Eles consideram que o volume de informação do mundo cresceu tanto que a quantidade examinada já não cabe na memória de processamento dos computadores. Por isso, os engenheiros tiveram de aprimorar os instrumentos de análise. Nesse sentido, a era do Big Data desafia a maneira como vivemos e interagimos com o mundo. Quanto maior o volume de dados captado dos seus clientes e leads, mais eficiente será a base de conhecimento que dará suporte à comunicação inteligente em seus canais digitais, especialmente na sua plataforma de e-commerce.